|

Delegação da Universidade de Missouri visita o Cena/USP

Escrito por Marcelo. Postado em Destaques

University Missouri

Com o objetivo de identificar pesquisas com o intuito de estabelecer parceria acadêmica em áreas afins, na tarde desta terça-feira (9), delegação da Faculdade de Agricultura, Alimentação e Recursos Naturais, da Universidade de Missouri visitou o Centro de Energia Nuclear na Agricultura (Cena/USP).

A delegação era composta por coordenada por Thomas Payne, vice-presidente da instituição sediada em Columbia; Marc Linit, Reitor de Pesquisa e Extensão; Bryan Garton, Reitor adjunto de Programas Acadêmicos; e Rebecca Showmaker, Diretora de Programas Estudantis.

A comitiva norte-americana foi recepcionada pela diretora do Cena/USP, Tsai Siu Mui; pela presidente da Comissão de Relações Internacionais (CRInt), Adriana Martinelli; e mais os professores Adibe Luiz Abdalla, Calos Cerri e Elisabete De Nadai.

Para a diretora do Cena/USP, Tsai Siu Mui, encontros como esse servem para promover uma maior aproximação entre as partes envolvidas e suas respectivas áreas de pesquisas. “Sempre é possível haver um entendimento recíproco que venha a gerar um acordo de cooperação entre as duas instituições”.

Na parte da manhã, a comitiva esteve na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq.

Engenho da Notícia

Assessoria de Imprensa Cena/USP

(19) 3302.0100

divulgacao@engenhodanoticia.com.br

Twitter: @Engenho_Noticia

Facebook: Engenho da Notícia

Zootecnista mexicana estuda metano animal no Cena/USP

Escrito por Marcelo. Postado em Destaques

Dra. Maria Andrea Cerrilo Soto, da Faculdade de Durango, México

Dra. Maria Andrea Cerrilo Soto, da Faculdade de Durango, México

O Centro de Energia Nuclear na Agricultura (Cena/USP) já tem bastante tradição em pesquisas que visam reduzir emissão de metano dos ruminantes e, agora, começa a expandir esse conhecimento para outros países. Para tanto, a zootecnista Maria Andrea Cerrillo Soto, pesquisadora da Universidad Juárez del Estado de Durango, no México, está no Brasil para ampliar seus conhecimentos nessa área.

O local escolhido é o Laboratório de Nutrição Animal (Lana) que, entre suas análises mede a emissão do metano expelido pelos ruminantes conforme a dieta do animal e isso chamou a atenção da veterinária mexicana. “Possuímos um equipamento de cromatografia idêntico em nossa Faculdade de Medicina Veterinária e de Zootecnia, porém aqui os métodos aplicados são outros”, afirmou Andrea.

Em sua estadia no Brasil, com duração de um mês, Andrea que também leciona na instituição mexicana pesquisará ‘in vitro e in vivo a quantificação de metano em ovelhas’, sob a supervisão do professor Adibe Luiz Abdalla que também é responsável pelo Lana.

Tradicionalmente, as pesquisas do Cena/USP nessa área se valem de alimentos alternativos baseados em plantas ricas em taninos e subprodutos da cadeia do biodiesel. “Desenvolvemos alternativas nutricionais sustentáveis para manipular a digestão e reduzir a emissão de metano pelos ruminantes por meio da fermentação entérica e pelos dejetos depositados nas pastagens”, informa o professor Adibe.

Apesar das diferenças entre os dois países, Brasil e México possuem características climáticas parecidas em certas regiões e algumas plantas com as mesmas propriedades taniniferas utilizadas no Brasil na dieta de ruminantes, como a leucena.

“O norte mexicano é muito parecido com o nordeste brasileiro, quente e seco. Portanto, iremos testar em ovinos e caprinos do México a mesma dieta aplicada aqui, mas com nossa vegetação nativa, que também é rica em tanino, como a prosopis e a acacia, além da opuntia”, explicou Andrea.

A vinda de Andrea também poderá propiciar um convênio entre as duas instituições. “Conheci o professor Adibe quando nos encontramos em um Congresso em Cuba, no ano de 2013, e iniciamos tratativas visando a trocas de mestrandos e doutorandos com interesses afins”, concluiu.

_____________

Engenho da Notícia
Assessoria de Imprensa Cena/USP
(19) 3302.0100
divulgacao@engenhodanoticia.com.br
Twitter: @Engenho_Noticia
Facebook: Engenho da Notícia

Pós-doutoranda pesquisa como determinar herbicida na água

Escrito por Marcelo. Postado em Destaques

Gláucia no Laboratório de Química Analítica do Cena/USP (foto: Fabricio Costa)

Gláucia no Laboratório de Química Analítica do Cena/USP
(foto: Fabricio Costa)

Cursando o pós-doutoramento no laboratório de Química Analítica do Centro de Energia Nuclear da Agricultura (Cena/USP), um dos mais citados no Brasil no que se refere a índices de fator de impacto, Gláucia Pessin Vieira vem desenvolvendo seus estudos com bolsa do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico).

‘Desenvolvimento de procedimento automático para determinação do herbicida glifosato em águas doces e soja empregando detecção automática’ é o tema do estudo que a pós-doutoranda vem realizando sob a supervisão do professor Boaventura Freire dos Reis.

“Gosto de fazer pesquisas e pretendo continuar trabalhando nesta área, então o caminho mais natural é fazer toda sequência acadêmica”, justificou ao optar por fazer o pós-doutoramento para aprofundar os estudos iniciados em sua tese de doutorado.

A escolha desse laboratório, que há 40 anos iniciou os primeiros experimentos sobre análises por injeção em fluxo no país, também foi providencial para Gláucia. “As pesquisas do laboratório seguem uma diretriz desenvolvendo metodologia com automação em química analítica, explorando as diferentes espécies químicas, envolvendo sistemas de análise em fluxo”, afirmou.

O desenvolvimento desse sistema colocou alguns pesquisadores do Cena/USP no ranking dos mais produtivos do Brasil no que se refere a índice de impacto – ou seja, quantas vezes aparecem citadas em outras publicações científicas.

Atualmente, a equipe do Laboratório de Química Analítica trabalha para automatizar todo o sistema. “Minhas pesquisas são com automação analítica envolvendo sistemas de análises químicas em fluxo baseados em multicomutação com detecção por espectrofotometria UV-VIS”, explicou a cientista que tem formação em química industrial.

_________________

Engenho da Notícia
Assessoria de Imprensa Cena/USP

Foto: Fabricio Costa
(19) 3302.0100
divulgacao@engenhodanoticia.com.br
Twitter: @Engenho_Noticia
Facebook: Engenho da Notícia

Fapesp e Imperial College London anunciam resultado de chamada para projetos

Escrito por Marcelo. Postado em Destaques

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e Imperial College London anunciam o resultado da primeira chamada de propostas lançada no âmbito do acordo de cooperação mútua. Das sete propostas para o intercâmbio entre as duas instituições, foram selecionados dois docentes Centro de Energia Nuclear na Agricultura (Cena/USP).

O professor Carlos Clemente Cerri, do Laboratório de Biogeoquímica Ambiental, teve aprovado seu projeto intitulado ‘Avaliação e orientação sustentabilidade na produção de cana-de-açúcar no Brasil’, já Luiz Antonio Martinelli, do Laboratório de Ecologia Isotópica, apresentou o projeto ‘Multifuncionalidade ecossistema sob mudança ambiental’.

Inicialmente, a chamada estimava apoiar apenas cinco propostas, mas a qualidade dos projetos apresentadas foi tamanha que decidiram apoiar outras duas para o intercâmbio de pesquisadores entre o Estado de São Paulo e o Reino Unido.

“Estamos muito satisfeitos em trabalhar ao lado da Fapesp, um dos nossos principais parceiros internacionais, para promover uma nova série de iniciativas conjuntas com algumas das principais instituições de pesquisa de São Paulo. Estou muito satisfeito de ver a gama diversificada e empolgante de projetos que serão apoiados por esta parceria. Reunir cientistas de Londres e do Estado de São Paulo, dois centros globais de excelência em pesquisa e inovação, não só estenderá as fronteiras do esforço científico como conduzirá a descobertas que beneficiarão a sociedade em escala global”, disse James Stirling, pró-reitor do Imperial College London.

Fapesp e Imperial concederão, de cada parte, o equivalente a seis mil Libras Esterlinas (£6.000,00) por proposta por ano, pelo período de vigência estabelecido na concessão, para cobrir despesas de mobilidade. A duração máxima de cada projeto deve ser de 24 meses.

Para Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor científico da Fapesp, “o investimento bilateral realizado pela Fapesp e pelo Imperial College London facilita a pesquisa colaborativa entre pesquisadores em São Paulo e seus colegas britânicos, criando oportunidades para ampliar os horizontes e o impacto da pesquisa científica para ambos os países”.

_______________

Engenho da Notícia

Assessoria de Imprensa Cena/USP

(19) 3302.0100

contato@engenhodanoticia.com.br