|

Orientada do professor Carlos Cerri conquista 2ª lugar no Top Etanol

Escrito por Marcelo. Postado em Destaques

Adriana Marcela Silva Olaya durante a premiação

Adriana Marcela Silva Olaya durante a premiação

Adriana Marcela Silva Olaya conquistou a segunda colocação na 5ª edição do Prêmio TOP Etanol. A premiação se deve a publicação dos resultados obtidos em sua dissertação de mestrado na revista britânica Environmental Research Letters, em 2013. A pesquisa que gerou este estudo foi desenvolvida no laboratório de biogeoquímica ambiental, do Centro de Energia Nuclear na Agricultura (Cena/USP) sob a orientação do professor Carlos Cerri.

Com o trabalho ‘Carbon dioxide emissions under different soil tillage systems in mechanically harvested sugarcane’, que aborda a emissão de CO2 em diferentes sistemas de preparo do solo na cultura da cana-de-açúcar no Brasil, Adriana ficou em segundo lugar na categoria Trabalho Acadêmico Publicado.

“O uso do etanol tem sido uma ótima estratégia para mitigar as emissões de gases do efeito estufa e consequentemente o fenômeno do aquecimento global. E o etanol brasileiro, produzido a partir da cana-de-açúcar, destaca-se globalmente no mercado de biocombustíveis. No entanto, práticas agrícolas inadequadas, e utilizadas na produção da cana-de-açúcar poderiam afetar a sustentabilidade deste biocombustível”, afirmou a engenheira agroecologa formada pela Universidad de la Amazonia na Colômbia.

“Os resultados reportados neste estudo contribuem para a identificação e desenvolvimento de sistemas de manejo sustentáveis no agronegócio brasileiro”, completou a pesquisadora que recebeu o prêmio no dia 2 de junho, durante evento que homenageou personalidades do setor sucroenergético que se destacaram por suas contribuições em atividades do meio político, acadêmico e empresarial.

______________

Engenho da Notícia

Assessoria de Imprensa Cena/USP

(19) 3302.0100

divulgacao@engenhodanoticia.com.br

Twitter: @Engenho_Noticia

Facebook: Engenho da Notícia

Núcleo de pesquisa em solo é inaugurado no Cena/USP

Escrito por Marcelo. Postado em Destaques

solofix

Com a presença de autoridades da Universidade de São Paulo e diretores da Petrobras, no dia 6 de junho, foi inaugurado o Núcleo de Excelência em Pesquisas de Solo (Solofix), que ficará alojado no Laboratório de Biogeoquímica Ambiental, do Centro de Energia Nuclear na Agricultura (Cena/USP).

Com a finalidade de concentrar pesquisas sobre a fixação biológica de carbono e redução das emissões de gases do efeito estufa nos solos, proveniente do agronegócio produtor de biocombustíveis, a maior empresa estatal brasileira investiu R$ 1,1 milhão em obras de infraestrutura para adequar o laboratório.

“Existem muitas pesquisas em andamento para desvendar as fontes emissoras de gases do efeito estufa, que emanam do solo, quando se avança a fronteira agrícola. Isso é importante porque antes da existência desses estudos nós só tínhamos referências internacionais como base”, justificou Paulo Negrais Carneiro Seabra, coordenador do Programa Tecnológico para Redução de Emissões Atmosféricas da Petrobras.

“O núcleo é um dos poucos do Brasil que estuda os gases que saem do solo e os estudos desenvolvidos no SoloFix são referência no mundo todo e podem atender várias demandas da Petrobras”, completou Seabra.

A coordenação do núcleo de pesquisa ficará a cargo do professor Carlos Cerri, maior incentivador do projeto. “Solofix significa fixar carbono no solo, que é uma das práticas mitigadoras de gases do efeito estuda. Hoje sabemos que o solo é dos principais sumidouros de gás carbono”, afirmou.

Cerri informou ainda que o núcleo desenvolve projetos voltados às relações do agronegócio com o aquecimento global, particularmente na avaliação do ciclo de vida do etanol derivado da cana-de-açúcar, biodiesel de plantas oleaginosas, café, citrus, soja e outros bioprodutos. “A inauguração do SoloFix é um marco para este tipo de pesquisa no Brasil. E é interessante estarmos a inaugurando na semana do Meio Ambiente”.

Em seu pronunciamento, a diretora do Cena/USP disse que o núcleo vai permitir a continuidade de pesquisas nessa área. “Estamos formando profissionais que futuramente continuarão buscando soluções para o efeito estufa e o aquecimento global. É um trabalho que requer métodos sensíveis, que são desenvolvidos com o tempo e aqui eles poderão continuar”, afirmou a professora Tsai Siu Mui.

____________

Engenho da Notícia

Assessoria de Imprensa Cena/USP

(19) 3302.0100

contato@engenhodanoticia.com.br

Twitter: @Engenho_Noticia

Facebook: Engenho da Notícia

Professor do Cena/USP é homenageado pela Sociedade Brasileira de Química

Escrito por Marcelo. Postado em Destaques

Professor Boaventura Freire dos Reis

Professor Boaventura Freire dos Reis

Por sua intensa atividade em prol da química analítica brasileira, o professor Boaventura Freire dos Reis, docente do Centro de Energia Nuclear na Agricultura (Cena/USP), foi homenageado Journal of the Brazilian Chemical Society (JBCS).

Os editores do JBCS escolheram homenagear o professor Boaventura, com a medalha, pela sua intensa e constante contribuição ao periódico, como autor de 22 artigos publicados e grande número de pareceres emitidos, que foram de fundamental importância para embasar as decisões dos editores e informar dos autores, além de seu contínuo apoio em prol do progresso da química analítica.

“É uma enorme honra ser homenageado por este periódico que é o veículo impresso da área química mais importante dentre os países de língua portuguesa e espanhola”, disse emocionado.

Apesar de ser editado em inglês, o Journal of The Brazilian Chemical Society (JBCS) é uma revista científica brasileira. Foi fundada em 1990 e é publicado pela Sociedade Brasileira de Química (SBQ).

A cerimônia de entrega da láurea ocorreu no dia 27 de maio, em Natal/RN, onde se realizou a 37ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química.

Pesquisa visa identifica cadeia alimentar de mamíferos em ambientes alterados

Escrito por Marcelo. Postado em Destaques

Paisagem alterada por plantação de eucalipto em Angatuba/SP

Paisagem alterada por plantação de eucalipto em Angatuba/SP

Visando conhecer a dieta de mamíferos que habitam ambientes naturais alterados pelo homem e, por consequência, entender do que essas espécies se alimentam, Thiago Simon Marques vem realizando seu pós-doutoramento na Divisão de Ecossistemas Tropicais do Centro de Energia Nuclear na Agricultura (Cena/USP).

“A exploração dos recursos naturais tem provocado alteração nos habitats naturais, transformando grande parte da vegetação nativa em áreas de cultivos agrícolas. Neste contexto, surge a necessidade de pesquisas focando entender processos biológicos em paisagens agrícolas e a incorporação destes ambientes no contexto da conservação biológica”, explica Marques.

Com o projeto de pós-doutorado financiado pela Fapesp e, tendo como supervisor o professor Luciano Martins Verdade, o estudo tentará examinar padrões de consumo de espécies de mamíferos em paisagens alteradas. “Vamos avaliar a cadeia alimentar capturando espécies da base, como invertebrados e roedores, até os principais predadores que se situam no topo da cadeia, como a puma e o lobo-guará e tentar identificar a dieta, partição de recursos e uso do espaço destes mamíferos”, informa.

A pesquisa será realizada em duas fazendas de silvicultura de eucalipto, localizadas no município de Angatuba, situado na região centro-sul do estado de São Paulo. Esta área faz parte do Programa de Pesquisa em Biodiversidade (PPBio), do Núcleo Angatuba, que inclui o levantamento de espécies da fauna e flora em paisagens alteradas, cuja matriz são plantações de eucalipto.

“A conservação da biodiversidade em paisagens onde grande parte da vegetação nativa se transformou em agroecossistemas depende do levantamento de informações sobre as estratégias que as espécies silvestres utilizam para se adaptar a tais alterações”, afirma. “Portanto, as fazendas onde iremos atuar são ideais por apresentarem um cenário formado pela mistura de plantações de eucalipto, fragmentos de vegetação nativa e áreas de pasto abandonado”.

Biólogo e doutor em ecologia aplicada, o tema do projeto de Marques é intitulado ‘Ecologia trófica de mamíferos em ambientes antrópicos por meio da metodologia de isótopos estáveis’. “Optei pelo pós-doutorado para aprofundar meus conhecimentos na área de ecologia isotópica. Para tanto, terei a co-supervisão do professor Luiz Antonio Martinelli, do laboratório de Ecologia Isotópica”.

______________

Engenho da Notícia

Assessoria de Imprensa Cena/USP

(19) 3302.0100

divulgacao@engenhodanoticia.com.br

Twitter: @Engenho_Noticia

Facebook: Engenho da Notícia